28/04/2017
POLÍTICA
Pesquisa mostra que Alpha considera ‘bom’ o trabalho do atual prefeito
Instituto entrevistou pessoas de dez cidades da região
Saúde é principal problema nas cidades em que a pesquisa foi feita. Em Barueri situação no Hospital Municipal (foto) é marcante e incerta. Foto: Tânio Marcos/Folha de Alphaville

Na segunda-feira (24), o Instituto MAS divulgou os dados da 5ª edição da Pesquisa Regional de Mercado (PRM) 2017. Foram entrevistados 3.506 moradores de dez cidades que integram o Cioeste: Osasco, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Cotia, Barueri, Santana de Parnaíba e Pirapora do Bom Jesus, além de Araçariguama e Vargem Grande Paulista. A pesquisa fez um recorte de Alphaville, que mostra que 44,2% ds moradores entrevistas (número não foi divulgado) considera “bom” o trabalho do atual prefeito (em Barueri, Rubens Furlan e em Santana de Parnaíba, Elvis Cezar, ambos do PSDB), passados os primeiros 100 dias de governo.

Ainda segundo esses dados, saúde aparece como o principal problema nas cidades apontado pelos moradores, com 21,1% das respostas. Em seguida, com 12,3%, aparece trânsito e, com 8,8%, segurança. No entanto, 14% afirmaram não saber e 12,3% afirmram ser outros, que não os apontados pela pesquisa.

Quando questionados se o atual prefeito era melhor do que o anterior, 51,2% dos entrevistados disseram que sim. Lembrando que em Parnaíba, Elvis foi reeleito. Em Barueri, Furlan entrou no lugar de Gil Arantes.

Apresentados a possíveis pré-candidatos, 65,1% dos entrevistados afirmaram que votariam em João Dória, 7% votariam Bolsonaro, 4,7% em Marina Silva, 2,3% em Michel Temer, 2,3% em Ciro Gomes. Lula não seria o candidato de nenhum entrevistado. Outros 14% disseram que não votariam em nenhum desses e 4,7% afirmaram não saber.

Geral
Na pesquisa que engloba os dez municípios, 30,8% consideram que as atuais gestões são “ótimas” ou “boas”, contra 23,9% que julgam “ruins” ou “péssimas”. Regular positivo, regular e regular negativo somam 33,4%. “Estes números são globais, retratam a situação da região”, explicou o cientista político Marcos Agostinho.

A pesquisa também chegou a avaliação dos moradores da região no comparativo dos atuais prefeitos com os que deixaram o cargo em dezembro do ano passado. Para 40,1% dos entrevistados, as gestões melhoraram. Enquanto que 14,4% avaliam que houve piorar. Os que julgam “igual” somam 30,4% e não souberam responder totalizam 15,1%.
O levantamento ainda mostrou que a ausência de médicos, medicamentos, atendimento ineficiente e falta de hospitais e postos de saúde são os principais problemas da região, com 48,2% das citações na média.
O segundo maior problema apontado pelos entrevistados é falta de segurança, com enfoque para violência urbana, que envolve principalmente, assaltos, tráfico de drogas e ausência de policiamento. A cidade mais segura da região, segundo entrevistados, é Cotia, onde apenas 4,7% apontaram a falta de segurança como problema. A população mais insegura está em Osasco (34,8%).

Tecnologia
O levantamento foi realizado entre os dias 10 e 21 de abril, tem margem de erro de 5% e contou com a utilização da tecnologia mobile para realizar as entrevistas. Por meio de aplicativo, o Instituto planeja substituir gradativamente a utilização de formulários impressos. Com o uso do aplicativo e, por meio do geoprocessamento, será possível ter acesso aos resultados em ‘tempo real’, além de acompanhar a localização e deslocamento dos pesquisadores em campo.