15/09/2017
FOLHA DO CARRO
Touring com motor turbo exalta a nova geração do Civic
Avaliamos a versão top de linha do Honda, com motor 1.5 de 173 cavalos e conjunto que justificam seu alto preço
Lucia Camargo Nunes
Frente agressiva com capô em formato de cupê: sedã agrada parado e acelerando (Foto: Honda/Divulgação)

A décima geração do Honda Civic pode não ser a campeã de vendas do segmento, que é esmagada pela supremacia do sóbrio Toyota Corolla, detentor de quase 42% dessa categoria de sedã. Mas o Civic praticamente dobrou suas vendas com a nova geração e pulou de 10 para 18% de participação.

As linhas agressivas impressionam. Pode enjoar, como já aconteceu com outros asiáticos mais ousados, mas o bom conjunto reforça a evolução de sua espécie. É um carro para ser pilotado, agressivo. Ao mesmo tempo, seus recursos eletrônicos são eficientes para mantê-lo nas mãos.

Apesar da nomenclatura que até pode remetê-lo a um modelo familiar, a versão Touring é a única a contar com motor 1.5 turbo de 173 cavalos de potência com injeção direta. A transmissão é a CVT com opção de trocas sequenciais por shift paddle, de 7 velocidades. O downsizing de motor faz bem ao consumo, sem deixar de surpreender na performance. A Honda não divulga números de desempenho, mas pelo torque de 22,4 kgfm entre 1.700 e 5.500 rpm já dá para ter ideia do arranque deste sedã ao acelerar com disposição. Na cidade, a Touring crava bons 12 km/litro de consumo subindo para 14,6 km/l em percursos rodoviários, nota A de eficiência energética.

O novo conjunto de suspensão traseira deixou o Civic bem acertado para encarar as curvas, sem deixar de ser confortável para os passageiros – aliás, muito bem acomodados. O Civic cresceu. Foram 11 cm no comprimento (4,63 metros) e 3 cm na distância entre-eixos (2,70 metros), o que ampliou o espaço para pernas e ombros e até no volume do porta-malas, que agora é de 519 litros.

Por dentro, a Honda escolheu materiais de qualidade e caprichou nos acabamentos. Por exemplo, o revestimento de couro nos bancos e volante e o material emborrachado agradável ao toque em partes do painel e portas. O novo painel de instrumentos conta com display digital multifuncional. De forma prática exibe velocímetro digital e conta-giros analógico, e ainda fornece rota de navegação, dados de consumo e informações do sistema de som que podem ser acessados pelo volante.

A segurança é reforçada por uma série de itens. Um deles, herdado do sedã maior Accord, é o LaneWatch, que reduz pontos cegos. Quando o motorista aciona o pisca direito para mudar de faixa ou manobrar à direita, a imagem é projetada no painel. O Civic Touring traz sensores de estacionamento com alertas visuais e sonoros (dianteiros e traseiros), 6 airbags (frontais, laterais e de cortina) e sistema Isofix de fixação para cadeirinhas infantis.

Completam o pacote o sistema multimídia com tela de 7” com navegador e interface para smartphone, sensores crepuscular e de chuva e sistema de áudio com 180 W de potência, entre outros itens. O preço de todo esse conforto e esportividade? O Civic Touring sai a R$ 124.926 e ofusca os concorrentes nacionais. Evoluído, o Honda está, mesmo, mais próximo de brigar com esportivos alemães.

Linhas ousadas, lanternas tipo bumerangue e rodas de 17"

Câmera do LaneWatch vai na capa do retrovisor

Volante, que traz comandos do áudio e shift paddles, tem ótima empunhadura e seu sistema elétrico proporciona manobras mais precisas. Painel multifuncional está mais moderno