21/07/2017
ESPORTES
Na Fórmula 1, a ‘rádio box’ está em plena atividade
Vettel, hoje na Ferrari, pode estar de saída para a Mercedes (Foto: Divulgação)

Por ser a Inglaterra o centro do automobilismo mundial e reunir 70% , o Grande Prêmio da Grã-Bretanha disputado domingo (16) em Silverstone rendeu um número excepcional de histórias sobre o futuro próximo da F-1. A grande história do fim de semana envolve a oferta de um contrato milionário oferecido para Sebastian Vettel – e por consequência disparar a dança de cadeiras do mercado de pilotos –, enquanto outras passam pelo o que o futuro reserva a Carlos Sainz Jr e da equipe Sauber. A continuidade da Honda na categoria é outro tema recorrente, assim como o retorno do polonês Robert Kubica.

Se € 120 milhões, alguma coisa próxima de R$ 400 milhões, é uma quantia impressionante digerir de uma só vez, pense que a Ferrari está disposta a dividir esse pagamento em 36 meses para garantir os serviços de Vettel para o período 2018-2020. A oferta teria sido feita durante o fim de semana de Silverstone, na esteira da presença de Toto Wolff, o diretor da Mercedes, na festa de aniversário do piloto. Claramente, Vettel também é cobiçado pela equipe alemå, que poderia convencer Lewis Hamilton a aceitá-lo já no ano que vem ou manter o alemão em banho maria por mais uma temporada e esperar o fim do acordo atual com o piloto inglês. De uma forma ou de outra, a escolha de Vettel sobre seu endereço comercial em 2018 é a pedra fundamental para definir o ritmo do mercado de pilotos para o ano que vem.

Sainz Jr interessa à Renault porque o mercado espanhol é onde ela tem presença considerável, tanto que não é a primeira vez que o nome do piloto é ligado à equipe francesa. Além disso, por mais dúvidas que suas atuações até certo ponto erráticas levantem sobre seu real valor, ele demonstra ser mais rápido que Jolyon Palmer. (Por Wagner Gonzalez)