23/03/2017
ESPORTES
Equipe de Alpha sobe ao pódio em Holambra
Na abertura do Campeonato Paulista de Rally de Velocidade, duas duplas da Bianchini chegam em 2º e 3º lugares
Peugeot de Bianchini fechou em3?. No pódio ele recebeu a esposa Maria Lino. Foto: Doni Castilho/DFotos/Divulgação

Estreia com dobradinha no pódio de duplas de Alphaville da Bianchini Rally foi o saldo positivo, do último domingo (21), no Rally de Holambra.
Na etapa de abertura do Campeonato Paulista de Rally de Velocidade, a dupla Marcos Finato e Kaique Bentivoglio (#634) sagrou-se vice-campeã da prova na RC4 Light. Em terceiro no pódio, Fabrício Bianchini e Caio Santos (#633), que fecham as Especiais. A prova inédita no calendário estadual contou com um grid de 23 carros de cinco categorias (RC2N, RC4, RC4 Light, RC5 e RCC).

“Adorei a experiência, foi bem diferente do que já havia feito no rali. A prova é bem veloz, por isso a navegação do Kaique foi essencial por ele ser experiente na modalidade”, ressalta Finato, que pilotou um Peugeot 206 com 155 cv. “Como é o primeiro ano no campeonato tudo é aprendizado, por isto fiz uma pilotagem bem consciente, com cautela e o resultado foi positivo”, completa. Para o navegador, que dos quatro é o que tem mais vivência no Rally de Velocidade, eles estão no caminho certo. “Foi surpreendente nosso resultado, fizemos uma prova limpa, sem problemas e o Finato estava com o carro na mão, assimilou bem as referências do levantamento e nossa sintonia foi boa”, diz Kaique.

Empresários que residem em Alphaville, Bianchini e Finato são pilotos com longa trajetória no motociclismo off-road, mas que nas últimas temporadas vêm evoluindo na categoria carros, sobretudo Gaúcho, como Bianchini é conhecido nos grids. Além de quatro temporadas na Mitsubishi Cup, Bianchini/Santos disputaram em 2016 o Rally RN 1500 e os Sertões, quando foram a 6ª dupla na classificação geral.

“O carro é muito forte e bem preparado pela equipe do Cotton, que fez excelente trabalho”, elogia Gaúcho que acelerou um Peugeot 207 de 190 cv.

Para o navegador Caio Santos desafios são bem-vindos e aprovou também a competitividade do campeonato. “A dinâmica da prova é diferente do Cross Country, principalmente a planilha, tanto que o levantamento inicial foi fundamental para sabermos onde podia acelerar ou não. Gostei muito da competitividade também”, finaliza.