19/10/2017
ECONOMIA
AIAT: desenvolvimento sustentável
Associação aposta em conceitos inovadores como densidade inteligente e mobilidade urbana em Alphaville e Tamboré
Haydée Eloise Ribeiro
União. Renato Albuquerque, um dos criadores de Alphaville, e Mauro Dottori, presidente da MPD Engenharia, são alguns dos membros da AIAT. Foto: Thiago Henrique

Repensar as cidades para viabilizar um crescimento sustentado. Esse é o desafio da Associação da Indústria Imobiliária de Alphaville, Tamboré e região, a AIAT, entidade que reúne empreendedores e profissionais do mercado imobiliário. “Somos desenvolvedores e não especuladores”, afirma o experiente Renato Albuquerque, presidente do conselho da AIAT, que, juntamente com Yojiro Takaoka, criou e implantou esse sonho chamado Alphaville.

Para um desenvolvimento sustentável e saudável, seus associados enfatizam a existência constante do diálogo entre a sociedade e o poder público. “Precisamos discutir os problemas atuais da região e os que estão por vir. Propor planejamento e criar um ambiente social, sustentável e saudável”, ressalta Mauro Dottori, presidente da MPD Engenharia e presidente da associação. E acrescenta: “Nosso setor precisa fazer interações com a sociedade local. Através disso, mostramos nossas intenções e destacamos que não existe uma cidade rica sem o trabalho constante do setor imobiliário.”

Sem fins lucrativos, a AIAT aposta em conceitos inovadores de urbanismo, como densidade inteligente e mobilidade urbana, além de fomentar estudos técnicos focados nos impactos e especificidades locais. “A região precisa ser entendida como uma malha e não como uma área de apenas duas ou três vias”, diz Albuquerque.

Com base nestes conhecimentos, a associação torna-se uma plataforma de diálogo entre os diferentes setores da sociedade para planejar e viabilizar o desenvolvimento ordenado da região de Alphaville e Tamboré.

Uma das contribuições da AIAT foi um diagnóstico da mobilidade urbana, através do levantamento e análise do tráfego da região. Ele foi elaborado pelo Laboratório de Engenharia de Transportes da Universidade de São Paulo (USP), que fez uma análise da situação atual de saturação do sistema viário de Alphaville e Tamboré. Identificou-se uma demanda por uma rede de transportes coletivo de alta qualidade, como o BRT – que, mais que ônibus, são como carros de metrô, com estações de embarque e muito conforto.

E a pedido da associação, o professor Dr. Carlos Leite, urbanista da Universidade Mackenzie e do escritório Stuchi&Leite desenvolveu um plano estratégico para Alphaville, Tamboré e Região, com cenários possíveis para os próximos 40 anos.

Outra proposta a ser discutida é o desenvolvimento do conceito multiuso, que reúne casa, escritório e comércio em um mesmo lugar. “Algumas cidades, como Lisboa aceitam muito bem esse conceito avançado. As pessoas não se importam em morar em um edifício com comércio”, conta Albuquerque. Essas são apenas alguns pontos do trabalho realizado pela Associação da Indústria Imobiliária de Alphaville, Tamboré e Região, que já existe há cinco anos.

A partir desta edição, o leitor vai conhecer um pouco da AIAT, suas ideias e soluções para se buscar o desenvolvimento sustentável da região. “Nos unimos para discutir com a sociedade o desenvolvimento urbano de Alphaville e Tamboré. A região foi feita e merece ser desenvolvida”, finaliza Dottori.