06/10/2017
ECONOMIA
Barueri e Parnaíba caem no ranking de negócios
Barueri desceu de 1ª para 5ª e Parnaíba despencou de 9ª para 27ª na Melhor Cidade para Fazer Negócios
Lucia Camargo Nunes
Alphaville. Barueri caiu 4 posições devido, entre outros fatores, a uma queda de 4,8% nos empregos formais na cidade. Mesmo assim, se mantém como cidade polo de emprego (Arquivo Folha de Alphaville)

Após dois anos prósperos e expectativa de manter ou melhorar posições, as cidades de Barueri e Santana de Parnaíba caíram de forma expressiva na 4ª edição do ranking Melhores Cidades para Fazer Negócios, elaborado pela Urban Systems, empresa de inteligência de mercado e soluções. Depois de duas lideranças consecutivas como Melhor Cidade para Fazer Negócios (2015 e 2016), Barueri caiu nesta edição para 5ª posição. No ranking 2017, São Paulo assumiu a 1ª colocação, seguida por Vitória, Porto Alegre e São Caetano do Sul.

Barueri caiu quatro posições devido, entre outros fatores, a uma queda de 4,8% nos empregos formais na cidade. Mesmo com essa queda, Barueri se mantém como cidade polo de emprego, com uma relação de quase 2 empregos por população economicamente ativa. As demais cidades do top 5 possuem menos de 1 emprego por população economicamente ativa. Barueri apresenta ainda bons indicadores de Educação (Capital Humano) e saúde (privada e pública).

Apesar de menores valores per capta de depósitos, financiamento e poupança em relação às demais cidades do top 5, Barueri apresenta relação de Dívidas Corrente e Receita Corrente positiva, ou seja, a dívida é menor do que a arrecadação da cidade. Da pontuação, Barueri é a 4ª colocada em Capital Humano; 9ª em Desenvolvimento Econômico; 44ª na Infraestrutura e não aparece entre as 100 cidades melhores Desenvolvimento Social. Já Santana de Parnaíba despencou de 9ª cidade mais atraente para negócios para 27ª.

Apesar da queda houve melhoras em relação a 2016: a cidade subiu de 80ª para 31ª no item Desenvolvimento Econômico; de 71ª para 13ª em Capital Humano (condição fundamental para desenvolvimento e atração de empresa ou negócio, a qual são analisadas questões demográficas, econômicas e de educação) e caiu de 27ª para 34ª em Infraestrutura. Procuradas, as prefeituras não retornaram até o fechamento da edição para comentar as quedas no ranking.