31/08/2017
ECONOMIA
‘Uber da mudança’ já está no ar
Engenheiro da computação lança serviço sem concorrentes que ajuda na escolha das transportadoras
Lucia Camargo Nunes
Roger Madeira, 40, comanda a empresa sediada no Tamboré (Foto: Victor Silva/Folha de Alphaville)

Ainda jovem, Roger Madeira, morou e estudou nos EUA. Em 2011, aos 34 anos, após passagens pelo Google, um mestrado e um doutorado, este engenheiro da computação criou, na Califórnia, um aplicativo pioneiro para o mercado americano: o iMoving, inspirado no “i” (pronuncia-se ai), da Apple. E moving de mudança.

O aplicativo americano era uma ferramenta para ajudar as pessoas a mudar. Essa versão foi vendida após 8 meses em operação. “O site dos sindicato das transportadoras nos EUA fez um buy out e comprou meu aplicativo para me tirar do mercado. Tive de esperar 5 anos para lançá-lo de novo”, explica Roger Madeira, fundador do iMoving, sem revelar valores.

Há dois meses, o novo site entrou em operação no Brasil. Nessas poucas semanas no ar, ele revela que já realizou 2 mil mudanças. “Nos EUA, o americano muda em média 11 vezes de cidade na vida. No Brasil, são em média, 5 vezes”, explica o empresário sediado no Tamboré.

A plataforma faz para o cliente interessado, de forma gratuita, uma comparação de diversos orçamentos de empresas de mudança, que se cadastram no site também gratuitamente. A pesquisa leva cerca de 60 minutos para ficar pronta. “Como funciona uma mudança sem essa ferramenta: o cliente liga ou faz cadastro na transportadora e o inventário da mudança é checado pessoalmente por um funcionário. Pela plataforma iMoving, o cliente preenche apenas uma vez seu inventário e a cotação é feita online”, explica Roger.

Há sites que fazem esse comparativo, conta o empresário, mas abordam os clientes por e-mail, telefone ou Whats’app. Pela nova plataforma, o cliente vai ter acesso do comparativo e escolhe sozinho a empresa, sem ser incomodado. O contato com a transportadora só se dará a partir da escolha, com assinatura do contrato. O iMoving ganha uma porcentagem do valor fechado pela transportadora. A empresa investiu R$ 3 milhões para lançar a ferramenta no Brasil, que Roger garante não ter concorrentes.

“Trata-se de um aplicativo integrador e vertical que agrega o B2B com o B2C. Além disso tem o rastreio da mudança, porque é alto o índice de roubo de carga no Brasil”, diz o fundador. “O orçamento é muito completo, porque possui machine learning, inteligência artificial e big data (lida com volume muito grande de informações) que comparam milhares de orçamentos. O cliente recebe até 250 orçamentos identificando as cinco melhores opções conforme suas preferências – preço, segurança ou qualidade”, explica Roger.

Além do rastreio há ainda o seguro da mudança. O sistema, com todas as informações, ajuda a calcular o risco para a seguradora. Esse é apenas um ensaio. No futuro próximo, até 2 anos, Roger quer avançar para o mercado de cargas. No Brasil, 6% do transporte é de mudança e 94% é de carga, que é um segmento mais lucrativo. “O objetivo é colocar toda essa tecnologia e testar no mercado pequeno para ir para o mercado grande. Esse é um teste de tecnologia, desenvolver a plataforma, com erros e acertos, e evoluir para esse mercado. E fazer os dois. Seria o Uber dos caminhões. Hoje é o Uber das mudanças”, define.

Roger Madeira quer em breve agregar mais serviços, como um “gerente” que faria toda a mudança e uma “personal organizer”, que seria responsável pela organização de toda a mudança, ou seja, o cliente poderia até viajar e quando voltasse já encontraria tudo no lugar. Hoje, esse tipo de serviço agregado ainda é um sonho.