16/06/2017
COLUNISTAS
Carta aos pais: um combate às drogas
Colunista da Folha de Alphaville

As drogas estão em todo lugar e podem estar mais perto de você e de sua família do que você imagina. E quem pensa que está livre de ser surpreendido pelo fantasma das drogas, recomendo muita atenção, pois esse tipo de pensamento revela ignorância e alienação quanto ao assunto, o que é uma postura extremamente perigosa.

Se você tem filhos adolescentes, saiba que eles não são mais crianças, apesar de não terem maturidade suficiente para serem tratados como adultos. A adolescência é uma fase de transição, repleta de conflitos, medos, inseguranças, desejos e muita curiosidade. É nessa fase da vida que muitas coisas importantes acontecem: o primeiro beijo, a turma inseparável de amigos, as “baladas”, os namoros, a primeira relação sexual, o vestibular, a busca pela independência... É um verdadeiro ensaio para a vida adulta.

Muitos casos de dependência química começam na adolescência, com uma simples curiosidade. Na ânsia de desbravar novos mundos, o jovem pode enveredar por caminhos de conhecimento ou de degradação, como o envolvimento com drogas. A solução não é abafar a curiosidade, mas canalizá-la para outras coisas que tragam alegria e não desgraça. A falta de perspectivas de vida também pode levar o jovem a procurar as drogas.
A necessidade de pertencer a um grupo torna os jovens muito suscetíveis a influência exercida por amigos, colegas e, até mesmo, por seus ídolos. É fundamental saber com quem seus filhos estão se socializando. E a saída é sempre o diálogo. Nem pense em atitudes radicais, como punições, castigos, surras ou expulsá-lo de casa... Se seu filho tornou-se vítima das drogas, ele já deve estar muito confuso e passando por diversos problemas. Diálogo, carinho e compreensão! Médicos, psicólogos e entidades especializadas podem ser de grande ajuda.

E se esse não for o seu caso, cuide para que não venha a ser! Na correria do dia a dia, a falta de tempo é um problema, mas problema maior é o tempo mal aproveitado. Por isso, cuide mais da qualidade que da quantidade de tempo que você passa com seus filhos. Ficar horas vendo televisão sem conversar não adianta. Se não há diálogo, como irá se estabelecer uma relação de confiança.

Participar da vida dos filhos e família é a principal forma de identificar possíveis problemas e buscar soluções. Em famílias que dialogam, ocorre verdadeira troca, em que todos participam, se comprometem e ensinam uns aos outros. Pais têm muito o que ensinar a seus filhos, mas também têm muito o que aprender. Se seus filhos sentirem sinceridade e não apenas uma estratégia, eles confiarão em você, e aceitarão mais facilmente sua influência, especialmente no que se refere a mantê-los longe das drogas.




Dr. Lair Ribeiro, palestrante internacional e autor, é médico com mestrado em Cardiologia. Ele viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, no Baylor College of Medicine e na Thomas Jefferson University e foi diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation.Com uma dinâmica particular, atribuída tanto ao seu poder de comunicação quanto ao compromisso de fazer a diferença na vida de quem o estiver lendo ou assistindo, Dr. Lair Ribeiro já escreveu vários livros que se tornaram best sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa e se apresentou em mais de 20 países e de 200 cidades brasileiras.