12/01/2018
COLUNISTAS
A diferença entre prometer e se comprometer
Colunista da Folha de Alphaville

Início do ano é sempre um tempo de promessas. Vou emagrecer, vou procurar outro emprego, vou terminar a reforma, vou cuidar melhor da saúde,
vou ler aquele livro ou fazer aquele curso, etc. Passamos umas duas ou três semanas cheios de planos e perspectivas que acabam ficando no meio do caminho e ao final do ano percebemos que quase tudo que foi prometido acabou não realizado.

Por isso, a grande resolução de início de ano deve ser: Prometer menos e se comprometer mais. Mais importante que o “to do list” é o “not to do list”. Vamos ter a noção de que a mudança de calendário não altera nosso comportamento. Que a única coisa capaz disso é uma mudança interna de perspectiva.

Tenhamos coragem de dizer não, as vezes para nós mesmos. Sejamos compreensivos com nossas falhas e limitações, mas rígidos em relação às nossas
tentações. Cada vez que prometemos sem nos comprometermos, a isso se segue um sentimento de frustração e baixa autoestima que precisa ser evitada. Não adianta ser otimista na promessa sem ser realista na execução.

O mundo digital veio se somar ao analógico e o que sofreu com isso foi o tempo. Temos cada vez mais compromissos, atividades e cada vez menos tempo. E com menos tempo, é ainda menor nossa chance de realizar tudo que planejamos. Por isso, o ano de 2018 deve ser o ano do foco. Uma mudança de comportamento vem com o tempo, mas a decisão de mudar começa em um instante.

Precisamos entender a diferença entre promessa e compromisso. E, por isso, prometer menos e se comprometer mais. Esse é o nome do jogo.

Sobre minha saída da Abril

Em novembro do ano passado, minha vida deu mais uma daquelas boas guinadas. Naquele mês, me despedi do time de
profissionais valorosos que junto comigo tocaram o Grupo Abril nos últimos dois anos.

Deixei a Presidência Executiva e passo a atuar como conselheiro de Estratégia e Inovação. Foram dias, semanas, meses e anos intensos, enfrentando obstáculos aparentemente intransponíveis, mas chegamos lá. Desmentimos os que não acreditavam e demos razão aos que torciam e tinham
fé em nosso futuro. O setor de mídia é cada vez mais desafiador e vai exigir de cada um de seus colaboradores e profissionais uma revisão total
de paradigmas e conceitos.

Para isso, é bom mudar o comando. Pessoas fazem diferente e fazem diferença por um tempo. Quando a fase ou estágio de transformação muda,
outros líderes devem assumir a direção e tocar o barco adiante. Torço pela Abril e pela nova liderança que assume hoje. Estarei, como sempre, a disposição de todos para colaborar no que for preciso. Trabalhar com Roberto Civita e Giancarlo Civita é um privilegio único representado por duas gerações.




Walter Longo é sócio-diretor da Unimark-Comunicação e ex-presidente do grupo Abril redacao@folhadealphaville.com.br