20/11/2017
COLUNISTAS
Beleza natural e saudável
Colunista da Folha de Alphaville

Há pouco tempo, um relatório da Organização das Nações Unidas alertou: o Brasil é o maior consumidor de remédios para emagrecer. Enquanto em nações europeias o consumo de medicamentos à base de anfetaminas vem caindo, aqui a história é outra, pois juntam-se obstinação da mulher brasileira pelo corpo perfeito, falta de fiscalização dos órgãos junto a farmácias que vendem essas drogas sem receita médica e imprudência de médicos que emitem receituários solicitando o consumo de tais substâncias indiscriminadamente.

Uso continuado de anfetaminas, além da perda de peso, provoca aumento permanente da pressão sanguínea e distúrbios psicológicos, como agressividade, irritação, paranoia, confusão de pensamento, verborreia (excesso de palavras para dizer coisas de pouco conteúdo), compulsividade e até esquizofrenia. Mulheres constituem 90% dos usuários.

Recente pesquisa revela que pessoas “bonitas” conquistam mais sucesso no ambiente de trabalho e que, além da discriminação por sexo e raça, pessoas bem cuidadas chegam a ganhar 10% mais.

O crescimento da indústria da beleza no Brasil também é revelado pelo crescente aumento de academias. De acordo com matéria publicada pela Revista Veja, de dezembro de 2003, existiam no Brasil 7 mil academias, que atendiam a 3,5 milhões de alunos, representando em torno de 2% da população. O Brasil só perde para os EUA em número de academias, onde há 20.200 estabelecimentos. E em relação ao número de pessoas matriculadas, o Brasil vem em 4º, depois dos EUA, Inglaterra e Alemanha.

A popularização de cirurgias estéticas também revela o crescimento da indústria da beleza. Nessa área, o Brasil perde apenas para os EUA. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, a média é de 500 mil cirurgias por ano, cerca de 60% delas para fins estéticos. Dessas, 70% são em mulheres e 15% em adolescentes.

Não há beleza maior que a exibida por uma pessoa saudável e em paz com o espelho. Mas o que é beleza? Platão, no século 4 a.C., reconhecia o caráter sensível do belo, dizendo que a beleza é a única ideia que resplandece no mundo. Desde então, o belo e o feio entraram na pauta de discussões. O ditado “gosto não de discute” surgiu a partir das conclusões de filósofos empiristas, que relativizaram a beleza ao gosto de cada um. Por sua vez, Kant afirmou que o belo é “aquilo que agrada universalmente, ainda que não se possa justificá-lo intelectualmente”.

Beleza tem a ver com autenticidade e singularidade. Antes de conquistar olhares alheios, a beleza deve vir de dentro, refletindo um estilo de vida saudável e o prazer em viver bem, com saúde e feliz. O resto, é consequência! O que atrai as pessoas, de verdade, é o belo sorriso e o bom humor de uma pessoa autoconfiante, pronta para alcançar o sucesso profissional e pessoal.




Dr. Lair Ribeiro, palestrante internacional e autor, é médico com mestrado em Cardiologia. Ele viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, no Baylor College of Medicine e na Thomas Jefferson University e foi diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation.Com uma dinâmica particular, atribuída tanto ao seu poder de comunicação quanto ao compromisso de fazer a diferença na vida de quem o estiver lendo ou assistindo, Dr. Lair Ribeiro já escreveu vários livros que se tornaram best sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa e se apresentou em mais de 20 países e de 200 cidades brasileiras.