14/07/2017
CIDADE
Triagem de feira da Oiapoque é questionada
Artesãos dizem que caiu a qualidade do evento, tradicional em Alphaville
Haydée Eloise Ribeiro
A feira é bastante frequentada por moradores e pessoas que trabalham em Alphaville. Foto: Arquivo Folha de Alphaville

A Feira de Arte, Decoração e Artesanato localizada na Praça Oiapoque, que ocorre toda segunda semana dos mês às quintas, sextas e sábados, das 10h às 18h, agita o bairro, tornando-se um dos principais eventos mensais da região.

O evento é realizado através de uma iniciativa da prefeitura de Barueri, por intermédio da secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho.
Porém, alguns artesãos têm reclamado da escolha de novos artesãos para a feira. Segundo um deles, que prefere não se identificar, começaram a surgir artesanatos de baixa qualidade. “Hoje o que se vê são muitos expositores de artigos industrializados e desorganização. na verdade, a feira perdeu o charme e o encanto”, ressalta.

Segundo o artesão, muitos dos antigos expositores deixaram de participar. “Essa feira era um evento que muitos moradores e trabalhadores da região esperava”, acrescenta.

O artesão conta que a feira chama a atenção por apresentar artesanato de excelente qualidade, com diferenciais, antiquários, artes plásticas e por contar até com apresentações de artistas musicais e dançarinos, além de boa gastronomia.

“Ela chegou a ser conhecida como a feira mais charmosa da região. Era muito bom frequentá-la. Podia passar horas nela, pois era um ambiente muito gostoso”, afirma.

Segundo Joaldo Macedo Rodrigues (Magoo), secretário da Pasta de Barueri, a triagem continua. Inclusive, Magoo ressalta que foi feita uma reclamação de que um dos expositores comprava seus artigos talvez no comércio da rua 25 de Março, em São Paulo. “Fomos averiguar e o artesão fez o artesanato na nossa frente para comprovar o seu trabalho”, conta o secretário.

Ele explica que duas pessoas da secretaria cuidam da feira de arte, evento que envolve montagem das barracas e do som, envolvendo toda uma logística.

Magoo quer conversar com os artesãos. “Gostaria de ouvir suas reclamações e sugestões sobre a feira”, afirma o secretário.