03/07/2017
CIDADE
Justiça Restaurativa volta a Barueri
O prefeito Rubens Furlan foi um dos participantes da cerimônia de instalação oficial
Haydée Eloise Ribeiro Maciel
A cerimônia foi realizada no Fórum de Barueri e reuniu autoridades do município (Foto: Lourivaldo Fio/Divulgação)

Omunicípio volta a ter o Núcleo de Justiça Restaurativa, após interrupção de quase quatro anos. Em 21/6, ocorreu a sua instalação oficial, no Salão do Júri do Fórum Municipal, em evento organizado pelo Cejusc (Centro Judiciário de Conflitos e Cidadania). Regis Sunao Utiyama, chefe de seção judiciário, apresentou a solenidade, que foi prestigiado por várias autoridades: promotores de justiça e magistrados, secretários e guardas municipais, representantes da Polícia Militar, da OAB (Subseção de Barueri), do Conselho Tutelar (Jardim Belval) e da Coordenadoria da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Os convidados puderam assistir a vídeos, como o criado pelo Sebrae, no qual o Hino Nacional Brasileiro é executado em ritmos de danças folclóricas regionais, como capoeira (Nordeste), catira ou cateretê (Centro-Oeste), bumba meu boi (Norte) e samba-enredo (Sudeste). Um outro vídeo, de entrevistas, como a feita com Egberto de Almeida Penido, Juiz de Direito Titular da 1ª Vara Especial de Infância e Juventude de São Paulo, foi apresentado.

A cerimônia teve uma série de falas, que destacaram o trabalho da Justiça Restaurativa. Entre os oradores, o prefeito Rubens Furlan (PSDB).
Segundo o promotor Luiz Roberto Jordão Wakim, que atua no Fórum desde 2003, “nesta cidade (Barueri), no ano de 2010, tivemos um pontapé e uma participação muito interessante. Na oportunidade, o prefeito Furlan comprou o projeto e trouxe o trabalho para dentro da Rede Municipal de Educação. O início da capacitação se deu em 2011. Os resultados ao longo do ano foram tão notáveis que em 2012 pulamos para 42 escolas sensibilizadas e nove capacitadas. Num breve apanhado, destacamos a realização de 96 ciclos e 18 reuniões restaurativas”, lembra Wakim.
O promotor enfatiza ainda que, em 2010, Barueri, foi um dos primeiros municípios a implementar, dentro da sua rede, o programa de justiça restaurativa.

Em São Paulo, a Justiça Restaurativa tem sido utilizada em dezenas de escolas públicas e privadas, auxiliando na prevenção e no agravamento de conflitos. No vídeo institucional apresentado, o juíz Egberto de Almeida Penido explica que a Justiça Restaurativa visa resolver os conflitos e situações de violência de forma não definitiva. É propiciado um encontro entre vítima, ofensor e as pessoas diretamente afetadas, buscando trabalhar numa lógica de corresponsabilidade.

Onde funciona
A Justiça Restaurativa de Barueri está instalada na rua Augusta, 25, Jardim Maria Tereza, Vila Barros.