09/06/2017
CIDADE
Uma história de amor em Alphaville
A moradora Lucia Machado conta sobre os 50 anos em que vive ao lado de Celso, e os segredos para a relação duradoura
João Felipe Cândido
Lucia e Celso em sua casa em Alphaville: eles se mudaram para o bairro nos anos 70. Foto: Victor Silva/Folha de Alphaville

“Às vezes eu abro nosso álbum de casamento, fico olhando as nossas fotos e penso: não parece que já estamos há cinco décadas juntos. Conheci o Luiz Celso (mas pode chamar de “Xis”), hoje com 77 anos, ainda muito jovem, com 12 anos.

Ele tinha 24. Estudante de Engenharia Eletrônica no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), sempre acompanhava com minhas amigas, os jogos dos alunos do Instituto. Nos tornamos amigos e o tempo passou. Prestes a completar 15 anos, fui pedida em namoro. Acabei sendo emancipada pelos meus pais e logo nos casamos. Eu com 16 e ele com 28. Minha vida teve uma reviravolta. O governo brasileiro iria enviar um grupo aos Estados Unidos, para conhecer de perto uma tecnologia inovadora, precisamente na Nasa. O Xis acabou sendo convidado. Nós nos mudamos para Houston e dez meses depois retornamos ao Brasil.

Aos 20 anos fiquei grávida de minha primeira filha, a Lelê. Seis anos depois, tivemos a Flávia (Fafá). No final da década de 70 conhecemos Alphaville, uma região que oferecia exatamente o conceito de vida dos americanos. Era aquilo que procurávamos. Compramos um terreno e nos mudamos para o bairro em 1982. Por acaso do destino, o Xis e eu acabamos trabalhando no universo da comunicação. Ele na Editora Abril. Eu acabei indo para o mercado editorial de revistas e livros, na Editora Globo. O Xis migrou depois para o mágico mundo da televisão e ajudou a idealizar grandes canais com a TVA, Net e Sky. Sempre trabalhamos muito e mesmo assim, nunca deixamos a nossa relação esfriar.

Claro, casamento não é aquele sonho que muitas pessoas idealizam. Quando alguém questiona qual é o segredo para estarmos há 50 anos juntos, sempre menciono a importância do respeito e o cuidado que devemos ter um com o outro. Nunca guardamos mágoa ou permitimos que coisas pequenas possam afetar o nosso amor. Pelo contrário, buscamos nutrir a nossa união com os melhores sentimentos.
A vida é feita de trocas e o diálogo também é fundamental. Para nós, a chegada nunca foi o mais importante, pois sempre aproveitamos o caminho, que é rico de emoções, expectativa, torcida.

Como a nossa casa vive cheia, muitas vezes não conseguimos comemorar o Dia dos Namorados. Mas isso não é problema. Tem aquele dia que avisamos a família: ‘Hoje é o nosso day off’ (risos). Somos um casal que preza pela simplicidade. Adoramos sair juntos para ir ao cinema, conhecer um novo restaurante, mas nada daqueles lugares badalados. Preferimos aqueles achados aconchegantes e com bom astral. Em Alphaville, por exemplo, gostamos muito do Ville du Vin e do Ráscal.

Para comemorar nossos 50 anos de casamento, decidimos fazer uma espécie de viagem de volta no tempo. Em vez de escolhermos um único destino, optamos por um resgate dos lugares que já visitamos. Literalmente um álbum de recordações.

Foz do Iguaçu (PR), foi o lugar onde passamos a nossa lua de mel há cinco décadas. Voltamos para lá recentemente. Fomos inclusive para o mesmo hotel. O parque foi totalmente revitalizado e está ainda mais lindo. Já temos um roteiro pré-definido de nossas próximas aventuras. Até o fim do ano, Houston está entre elas. Nossa comemoração continua...”