12/01/2018
CADERNO A
Gianecchini interrompe pausa e estreia em "Os Guardas do Taj"
Peça que entra em cartaz no sábado (13) tem texto do americano Rajiv Joseph
Graziela Costa
Ricardo Tozzi e Reynaldo Gianecchini encarnam guardas palacianos (Foto: João Caldas)

Reynaldo Gianecchini desfrutava de um quase “ano sabático”, quando foi chamado para atuar na peça “Os guardas do Taj”, premiado texto do
americano Rajiv Joseph, que estreia neste sábado (13), no Teatro Raul Cortez.

“Eu tinha pedido à Rede Globo um período de descanso, depois de “A lei do amor” (que se encerrou no ano passado), porém, o espetáculo meio que atropelou esse período. Mas estou tão feliz, estava com saudade de fazer teatro. Tenho alguns planos, mas deixo a vida me mostrar um outro lado, que eu não planejei direito”, resume.

Além do texto premiado do autor de ascendência indiana, que conquistou vários prêmios após sua estreia na off-broadway, em 2015, contou a favor de seu retorno a direção de Rafael Primot e João Fonseca e a parceria em cena com Ricardo Tozzi, que já atuou com Gianecchini em “A lei do amor”. “A gente teve sorte porque são dois diretores incríveis que a admiramos para caramba, de quem somos amigos. E o Tozzi é um amigo-irmão”.

A peça estreou em Portugal, onde fez temporada em novembro e dezembro de 2017. O texto, que tem tradução e adaptação de Rafael Primot,
passa-se em 1648 e fala sobre uma das lendas sobre a criação do famoso edifício Taj Mahal – na história, dois guardas proibidos de olhar para o monumento antes de sua inauguração se confrontam diante das regras estabelecidas e da maneira que cada um deles vê a sociedade e suas vidas. Um
deles, Babur (Ricardo Tozzi), está cheio de curiosidade, o outro, Humayun (gianecchini), é ortodoxo e obediente.

“A reflexão mais importante que a peça propõe se refere às nossas escolhas. Qual o critério para defini-las: nossos desejos ou verdades ou aquilo que esperam da gente, uma repetição das histórias dos nossos pais, dos nossos avós? Às vezes, a gente prefere se machucar a deixar de seguir o que esperam de nós”, diz. 

Completando 20 anos de carreira neste ano, depois de pelo menos uma dezena de novelas, além de participação  especial em séries e humorísticos,
12 filmes e 8 peças na bagagem, Gianecchini se diz mais relaxado.

“Eu me lembro como se fosse ontem da minha estreia, totalmente verde em “Cacilda”, lá com o Zé Celso, tremendo, mas totalmente apaixonado por aquilo. Definitivamente, eu posso falar que o Gianecchini de hoje é muito mais relaxado. A natureza é sábia porque quando você é jovem tem uma energia enorme, que vem com uma ansiedade insuportável. Hoje em dia, eu sou muito mais tranquilo. Não quero mais fazer 10 coisas ao mesmo tempo, quero escolher a dedo. Estou ficando velho”, brinca, do alto dos seus 45 anos.

Apesar da declaração, o ator deve estrear na nova novela das nove da Rede Globo, “De volta pra casa”, ainda este semestre. 

OS GUARDAS DOTAJ
Teatro Raul Cortez - Rua Dr. Plínio Barreto 285 – Bela Vista. Telefone: 3254-1631. Ingressos: R$ 60 a R$ 80. Sexta e Sábado, às 21h e domingo, às 18h.
Temporada: até 25 de Março