19/05/2017
CADERNO A
Aprenda a escolher vinhos
Senac traz especialistas, como o sommelier com degustações e dicas de harmonização
Haydée Eloise Ribeiro Maciel
Sensações únicas ao degustar vinhos em Portugal e Espanha

O vinho está mais presente na mesa do brasileiro. É sempre uma boa opção para encontrar amigos, presentear ou até mesmo para apreciá-lo sozinho. Essa bebida encantadora, como diz o sommelier Fernando Diniz, é tema de duas das três palestras que acontecem em maio e junho no Senac Osasco. Elas fazem parte da quarta edição do Circuito de Bebidas, que ocorre em várias unidades do Senac São Paulo. As palestras abordam variedades de uvas, dicas de harmonização, além de contar com degustações.

“O hábito de se alimentar acompanhado por bebidas, como vinhos e cervejas especiais, tem se tornado comum, especialmente entre os brasileiros, apontando mudança cultural e comportamental. E a harmonização é fundamental para preservar o paladar”, diz Lucio Roberto, docente da área de gastronomia do Senac Osasco.

No dia 23/5, das 19h30 às 21h30, acontece o workshop “Compreendendo os Varietais e seus Terroirs Icônicos - uma jornada pelo mundo do vinho”, ministrado por Eduardo Milan, editor de vinhos da revista Adega. O workshop faz viagem aos terroirs para desvendar as particularidades de diferentes uvas. Na atividade, serão degustados vinhos com predominância de uma variedade de uva para explorar suas características sensoriais e possibilidades de harmonização.

Já no dia 21/6, em dois horários – das 14h às 16h e das 19h30 às 21h30 – acontece a palestra “Conhecendo Vinhos - da degustação à compra certa”, com o sommelier Fernando Diniz. A apresentação terá degustações e dicas sobre como degustar vinhos e realizar a melhor compra, aproveitando diferentes estilos. “O vinho está mais presente na mesa do brasileiro, e isso nos faz buscar mais informações sobre a bebida. A principal experiência que buscamos é como realizar uma boa compra”, diz ele, que leciona o Curso Livre Básico de Vinhos no Senac, unidade Osasco.

Segundo o sommelier, o ponto de partida é comprar no lugar certo. “Afinal, com tanta informação em uma única garrafa, de qual princípio partimos para escolha ideal para nosso consumo?”, questiona. E complementa: “Lembrando que o investimento em uma garrafa de vinho está desvinculado ao valor de compra, e sim ao estilo que você mais gosta.”

Diniz sugere aproveitar  oportunidades de degustação e guardar na memória a característica do vinho que provou. “Assim, existem alguns pontos primordiais para escolher sua garrafa de vinho: textura, graduação alcoólica, estilo – podendo ser espumante, branco, rosado, tinto ou de sobremesa –, região e valor investido. A pessoa tem grandes chances de escolher produto similar comparado a uma degustação anterior.” Para ele, basta escolher que estilo de vinho será melhor para ocasião e ter a ajuda de um profissional na escolha.

“Vivemos em um país conhecido mundialmente por diversidades culturais e gastronômicas. Assim, não há nada melhor do que ter a companhia de uma boa garrafa de vinho à sua mesa”, destaca Diniz. Outro fator do consumo brasileiro é a grande disponibilidade de vinhos no comércio, das principais regiões produtoras do mundo, trazendo variedades de estilos. “Esse fator também proporciona certa competitividade de produtores, com ofertas de preços que atendem diferentes públicos, com qualidade e sofisticação”, destaca ele, que também é funcionário da importadora Vinissimo.

Viagens recentes
Em abril, Fernando Diniz visitou produtores da Espanha e Portugal. No primeiro país, chamou a atenção do sommelier as condições climáticas da região. “Uma amplitude térmica incrível com noites de 2º C e tardes com 22º C. Essas características proporcionam defesa natural às vinhas, permitindo produção com métodos naturais sem o uso de conservantes na maior parte das vezes”, destaca ele.

Em Portugal, Diniz encontrou na região do Tejo produtos com qualidade de atender qualquer amante de vinhos. Em seguida, na Península de Setubal, ao Sul, foi recebido por António Saramago. “Ele é um especialista que produz vinhos há mais de 50 anos e é um dos mais importantes enólogos”, afirma. O sommelier provou o J.M.S. Moscatel de Setubal safra 1998. “Esse vinho me fez correr lágrimas. Uma explosão de aromas e sabores, seguido por um prazer físico que nem o melhor dos chocolates pode proporcionar!”, finaliza Diniz.